Friday, June 13, 2008



Quando a luz fechou os olhos
Amansou a terra um ar morno
De cinza, doce, de cores desmaiadas
Pelos perfumes vindos no bafo da noite

Do ramo mais fino do silêncio
Soou o rouxinol num canto dorido
De seda e ondas, que soltava em cada nota
Um fio delicado de fumo como fogo-fátuo

Teceu um véu e ali se guardou
De volta às entranhas da vida
Basta um sopro mágico, liberto,
Para que a luz acorde a cantar

- Janita Salomé -

7 comments:

Jonice said...

Beautiful!


It takes but a magical breath, free
For the light to awaken in singing


Sweet nice Sunday, dear :)

Beijinhos

Ana said...

Lindo!!!
Bela escolha de Janita Salomé, músico e compositor, autor de música portuguesa, bem como a linda foto que o completa. Parabéns Teresinha.
Beijinhos muito grandes,
Ana

rui said...

Olá Teresa

Lindo poema!
Adoro quando o dia se veste destes tons.

Beijinhos

Anita said...

Que Deus abençoe cada novo dia, desta nova semana!!!
Beijos
Fica bem. Fica com Deus.
Anita (amor fraternal)

O Profeta said...

Sou!? Serei apenas um desalinhado?
Pensador fugitivo ao agreste sonho
Uma pedra pensante no meio da ilha
Meio Homem, meio Arcanjo, um ser bisonho


Boa semana


Mágico beijo

gaivota said...

janita salomé, gosto muito
a foto está muito bonita!
beijinhos

Mário Margaride said...

Querida Teresa,

Os meus parabéns para a Teresinha, e muitos, muitos beijinhos, e muitas felicidades!!!

Para ti querida amiga, um beijo de amizade.

Mário